Blog do Curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade INESUL
Sexta-feira, 25 de Novembro de 2011
A ABRAFI - Associação Brasileira das Mantenedoras das Faculdades Isoladas e Integradas informa que não é verdade o que estão dizendo sobre a composição das notas do CPC e do IGC tão divulgadas em todo o país na última semana

 

 

 
                    O QUE PARECE SER NÃO É!
Roberta Muriel

         Não é verdade o que estão dizendo sobre a composição das notas do CPC e do IGC tão divulgadas em todo o país na última semana.
         Os principais veículos de comunicação estão passando uma ideia, baseados no que diz o Ministério da Educação, de que “o IGC leva em conta, além dos resultados do ENADE, a avaliação do Corpo Docente, das instalações físicas e do projeto pedagógico de cada instituição” e que a avaliação do ensino superior combina três notas “a do desempenho dos estudantes, a do desempenho dos cursos e a do desempenho das instituições”.
         É importante esclarecer que o CPC é a composição do ENADE e da avaliação do Corpo Docente, das instalações físicas e do projeto pedagógico de cada instituição sim, como está sendo dito. No entanto, como é feita esta composição?
         Esta é a parte fundamental e que não está esclarecida nas principais divulgações feitas a respeito destes indicadores.
         Vamos então esclarecer:
1)    O ENADE é resultado do teste feito pelos alunos todos os anos. Até aí tudo certo. É uma avaliação de aluno.
2)    Como o MEC avalia Corpo Docente para composição do CPC e consequentemente do IGC? O MEC vai ao cadastro de docentes e verifica a titulação e o regime de trabalho destes docentes, ou seja, o tempo de dedicação dos docentes à instituição. Neste momento, não há análise da qualidade destes professores, de suas aulas, de seu trabalho acadêmico, enfim, não há uma análise qualitativa para composição do CPC e IGC sobre o Corpo Docente, portanto, um corpo docente titulado e com muitas horas no curso, recebe boa nota e o Corpo Docente com menor titulação e menos dedicação, recebe nota ruim. No entanto, seria demais afirmar que um corpo de doutores é bom e um corpo de mestres é ruim, ou vice-versa. Estas são suposições e, por esta razão, o CPC e IGC são tratados na legislação como indicadores e não conceitos, pois são indícios, mas não podem ser conclusivos.
3)    Como o MEC avalia instalações físicas e a Proposta Pedagógica da IES para composição do CPC e do IGC? O aluno, quando vai passar pelo ENADE, responde a um Questionário Socioeconômico e este Questionário traz algumas questões relacionadas às instalações físicas e ao Projeto Pedagógico do curso. O MEC seleciona algumas questões deste Questionário Socioeconômico respondido pelo ALUNO para compor a nota do CPC e consequentemente do IGC. Assim, neste momento, não há visita às instalações e análise das propostas pedagógicas. O que há é uma suposição por meio de respostas dadas pelos ALUNOS ao tal Questionário. Desta forma, não se pode dizer com segurança que as instalações são ruins e que a Proposta Pedagógica não atende ao esperado considerando apenas o que o ALUNO acha. O aluno pode dizer que é ruim, mas isto não significa que realmente é ruim, assim como pode dizer que é bom o que não é verdadeiramente bom.
        
         Desta forma, como podem perceber o CPC e o IGC não passam de indicadores de qualidade e assim são definidos pela legislação, pois não são suficientes para determinar a qualidade de um curso e muito menos de uma instituição.
         Para que esta análise fosse bem feita e para que as Instituições de Ensino e seus cursos tivessem conceitos definitivos (CC – Conceito de Curso e CI – Conceito Institucional), também já definidos pela legislação, faz-se necessária a visita in loco que contará com avaliadores que terão condições adequadas para verificar e constatar a qualidade real destes cursos e instituições.
         Não sendo assim, o que está sendo feito é decisão com base em um INDICADOR falho e baseado em avaliação de ALUNO, pois quase 70% da composição destes índices (CPC e IGC) são determinados pelo que o ALUNO pensa ou sente no momento da avaliação. Se o aluno resolve fazer um boicote em um curso e a IES tem poucos cursos, por exemplo, está condenada a uma nota baixa. E este boicote não significa necessariamente que a instituição é ruim. Vejam o que está acontecendo com os alunos da USP. Alguém se atreve a dizer que a USP é ruim? E se estes alunos passassem agora pelo ENADE? Como ficaria a nota da USP?
        
         O artigo 2º da Lei 10861/2004 afirma que:
         “Art. 2º O SINAES, ao promover a avaliação de instituições, de cursos e de desempenho dos estudantes, deverá assegurar:
         I - avaliação institucional, interna e externa, contemplando a análise global e integrada das dimensões, estruturas, relações, compromisso social, atividades, finalidades e responsabilidades sociais das instituições de educação superior e de seus cursos;
         II - o caráter público de todos os procedimentos, dados e resultados dos processos avaliativos;
         III - o respeito à identidade e à diversidade de instituições e de cursos; IV - a participação do corpo discente, docente e técnico administrativo das instituições de educação superior, e da sociedade civil, por meio de suas representações.
         Parágrafo único. Os resultados da avaliação referida no caput deste artigo constituirão referencial básico dos processos de regulação e supervisão da educação superior, neles compreendidos o credenciamento e a renovação de credenciamento de instituições de educação superior, a autorização, o reconhecimento e a renovação de reconhecimento de cursos de graduação.”
        
         Onde está a avaliação de cursos e a avaliação da IES no CPC? E onde está a “avaliação institucional, interna e externa, contemplando a análise global e integrada das dimensões” que o mesmo artigo 2º manda assegurar?
         Onde está o “respeito à identidade e à diversidade de instituições e de cursos” quando pegam o ENADE, misturam com respostas dadas a um Questionário respondido pelos mesmos alunos que fizeram a prova e oferecem uma lista de INDICADORES QUE NEM SÃO CONCEITOS DEFINITIVOS “de bandeja” para todos os jornais do Brasil?
         A Portaria 40/2007 estabelece um processo para esta avaliação e este não está sendo cumprido. O Conceito de Curso - CC e o Conceito Institucional - CI são os conceitos definitivos - ou seja, não se fala em CPC ou IGC como conceitos, mas como “indicadores”, que deveriam ser entendidos como provisórios no processo. A IES ainda teria uma oportunidade, segundo a legislação de firmar um protocolo de compromisso após a definição de conceitos definitivos insatisfatórios. O caminho é este: A IES recebe um conceito provisório (CPC ou IGC). Se o conceito provisório for insatisfatório, pede a avaliação in loco; se for satisfatório, pede ou não a avaliação in loco. No último caso, se não pedir, fica valendo a nota do CPC ou IGC, conforme o caso. Após a visita, são definidos os conceitos definitivos (CC ou CI, conforme o caso). Se o conceito for insatisfatório, cabe recurso. Exaurido o recurso e permanecendo conceito insatisfatório, a IES apresenta à secretaria competente protocolo de compromisso. Se ocorrer descumprimento das medidas determinadas no protocolo de compromisso, será instaurado processo administrativo para aplicação de penalidades previstas no art. 10, §2º da Lei 10.861/2004, nos termos do art. 63 do Decreto 5.773/2006.
         Já disse em outro artigo como é lamentável a forma como o Ministério da Educação tem tratado as Instituições de Ensino Superior – IES, especialmente as privadas, que representam 89,4% do setor educacional.
         As vagas estão sendo cortadas e as decisões de regulação estão sendo tomadas sem que as IES e seus cursos passem por todo o processo que está previsto na Portaria 40/2007.
         Até quando as IES vão suportar estas barbaridades baseadas em Lei mal lida e interpretada e em nome de um Sistema Nacional de Avaliação que ainda não conseguiu sua implantação?
          As IES precisam reagir a estes absurdos! Estão “pulando etapas” da avaliação e o resultado é uma exposição na mídia que causa danos irreparáveis. E não adianta reparar com o MEC depois, pois a imagem está destruída. As instituições que oferecem a tantos brasileiros uma oportunidade de formação são transformadas em “incompetentes e sem compromisso” e os belos indicadores fracos estatisticamente (CPC e IGC) em um “retrato da qualidade dos cursos e instituições no país”.
         Rezo todos os dias para que as instituições reajam a este absurdo ou para que Deus me dê muita paciência para aguentar tanto desaforo!

 
 


publicado por INESUL às 14:24
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sábado, 12 de Novembro de 2011
Dia Mundial do Diabetes

Educar para prevenir é o tema da campanha mundial do Diabetes, que segue até 2013.


Os alunos do Curso  Técnico em Enfermagem  do Centro de Educação Profissional Integrado  realizam campanha  de prevenção a Diabetes no Supermufato em Londrina/Pr. dia 14/11/2011. 


Na segunda-feira (14), é lembrado o Dia Mundial do Diabetes. Ministério da Saúde vem reforçando ações de prevenção e cuidados aos pacientes. Definida pela Federação Internacional de Diabetes (IDF) - entidade vinculada à Organização Mundial da Saúde (OMS). Desde o último dia 7 de novembro, estão acontecendo atividades por todo país para reforçar a data e informar a população sobre importância da prevenção.

Segundo a OMS e a IDF, o Brasil passará da 8ª posição do ranking mundial de portadores do diabetes para a 6ª posição em 2030.  A pesquisa  publicada neste ano, verificou 6,3% da população igual ou maior de 18 anos possui diabetes. Isso representa cerca de 8,3 milhões de pessoas. Estima-se que outras 3 milhões de pessoas desconhecem serem portadores da diabetes.  No mundo, estima- se que existem atualmente 300 milhões de pacientes portadores da doença.

Nas próximas duas décadas, os novos casos de diabetes vão crescer 54% no mundo, segundo estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS ). Em 2030, haverá 438 milhões de diabéticos no planeta. Nas Américas Central e do Sul, o crescimento será ainda mais acentuado (65%). Isso significa que quase 30 milhões de pessoas terão a doença em nosso continente.    

O Ministério da Saúde atento a essa epidemia mundial, vem enfatizando as ações integradas para prevenção e o cuidado das pessoas com diabetes e hipertensão arterial.



publicado por INESUL às 23:47
link do post | comentar | favorito

Alunos do Curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade INESUL participam do AMUVI - Acidentes com Multiplas Vitimas

No dia 11 de outubro os alunos do Curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade INESUL e Técnico em Enfermagem do Centro de Educação Profissional Integrado, juntamente com  Bombeiros e o SIATE, organizaram uma simulação de acidente com múltiplas vítimas (AMUVI) em Londrina-PR, na Semana Nacional de Redução de Desastres.A simulação ocorreu na PR 445, o trânsito da rodovia precisou ser desviado, o acidente envolvendo dois ônibus com aproximadamente 60 vítimas, dentre elas três óbitos, mobilizou todas as viaturas do Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (SIATE), caminhões do Corpo de Bombeiros (ABTRs), ambulâncias do SAMU, ambulâncias da rede privada, viaturas da Policia Militar, Polícia Rodoviária, Guarda municipal além do Instituto Médico Legal e da Criminalística. O objetivo principal do evento foi medir a capacidade de atendimento e resposta dos recursos disponíveis no sistema público do Município. A Diretora de Ensino do CIE e Coordenadora do Curso de Enfermagem do INESUL Profª Ednalva Guizi diz que “ os alunos vivenciaram na prática o atendimento às vitimas e compreenderam que a solução dos problemas deve ser de forma rápida, segura e com conhecimento, pois o erro pode levar a morte. A responsabilidade e o compromisso para com as pessoas está nas mãos dos profissionais, por isto é importante estar sempre participando dos treinamentos, capacitando e atualizando seus conhecimentos para enriquecer o aprendizado.” A proposta metodologica da Faculdade INESUL é estar sempre realizando simulações próximo da realidade, preparando o aluno para o mercado de trabalho.

 

 

 

 

 

 

 

   

 

 

 

   



publicado por INESUL às 23:03
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

pesquisar
 
Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

Enfermagem lança o Mascot...

Enfermagem realiza atendi...

Enfermagem realiza atendi...

V Jornada da Terciera no ...

Jornada da Enfermagem no ...

Feira do Empreendedorismo...

Abertura do VIII Simpósio...

Enfermagem realiza atendi...

Torneio de queimada Inter...

Jornada da Enfermagem no ...

arquivos

Outubro 2014

Setembro 2014

Maio 2014

Abril 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

favoritos

S.T.A.R.T - Simples Trein...

blogs SAPO